1780457_636895453042026_1057394385_o

Cada dia mais, dentro do futebol, as pessoas ouvem o termo “falso 9” ou “falso centroavante” e muitos não sabem o que isso significa. A ideia europeia que ganhou repercussão com o técnico Pep Guardiola quando ainda estava no Barcelona está virando tendência no futebol mundial.

O que é?

Pra começar a explicar, vamos utilizar o falso 9 mais famoso do mundo: o cara que ganhou mais prêmios de melhor do mundo seguidos do futebol, Messi. Quando o argentino surgiu no Barcelona, ele jogava na ponta direita, pois a ponta-esquerda era do dono do time, Ronaldinho Gaúcho, e a função de centroavante era feita por Samuel Eto’o

Guardiola, com toda a sua inteligência tática, aproveitou a saída de Eto’o e de Ronaldinho para pedir pro Messi atuar centralizado no ataque ao invés de pelos lados, como se esperava de um jogador baixo e com bastante velocidade. Resultado? Criou um gênio, que atua como um centroavante com apenas 1,69m de altura.

A posição de falso 9 é simples: ele joga como centroavante mas se movimenta mais do que um homem pesado, sai mais da área para buscar a bola mas sempre atua centralizado e é sempre muito oportunista (quantos gols já não vimos o Messi fazer apenas aproveitando rebote?).

O camisa 9 normal tem a função de fazer o famoso pivô, de jogar na maioria das vezes de costas, fazendo a parede, tabelas e depois girando para correr e tentar receber essa bola de um cruzamento, lançamento, passe ou qualquer coisa assim.

O que um time ganha com um falso 9?

Dinâmica, qualidade e principalmente velocidade. Por quê? Pois o time que tem um jogador com a qualidade de fazer essa função pode ser sempre o que mais ataca já que o princípio vai ser sempre o domínio e a posse de bola, utilizando o falso 9 para partir pra cima e se movimentar, tentando confundir os zagueiros que se perdem em vários momentos do jogo contra esse estilo.

Funciona pra qualquer time?

É claro que não. No futebol brasileiro, por exemplo, é difícil conseguir ter a qualidade suficiente para que um jogador atue como falso centroavante, pois estamos muito atrás da ideia tática e da técnica dos europeus. O ditado que o futebol brasileiro é o mais ousado pode ainda existir em pouquíssimos casos (Neymar é um exemplo) mas o do velho continente tá em um nível que não pode ser comparado.

Quem mais usa um falso 9?

Além de Messi, Guardiola criou Mario Götze para ser falso 9 também. Durante este ano, o alemão atuou por muitas vezes como falso centroavante, provando que Pep consegue modificar um jogador de posição com facilidade.

Um outro exemplo recente, que aconteceu na quarta-feira (09), na vitória do Atlético de Madrid sobre o Barcelona, é o de David Villa que atuou como falso 9 e conseguiu aparacer bastante para o jogo no Vicente Calderón.

Kün Agüero, no Manchester City, atua como centroavante na maioria das partidas e quando Pellegrini opta por usar Dzeko ou Negredo, eles ficam lado a lado enfiados na área, evitando com que o argentino abra em uma das pontas para munir o companheiro de ataque, deixando essa função com David Silva pela esquerda e Navas pela direita.

O “Pistoleiro” Luiz Suárez, um dos atacantes mais desejados do planeta é um falso 9 nato. Raramente as pessoas assistem o uruguaio fazer o trabalho de pivô, pois a sua característica principal é invadir a área de frente para o goleiro e não ficar fazendo parede.

A tendência é que cada vez mais na Europa isso seja usado. A carência de centroavantes está aumentando cada vez mais e jogadores de velocidade estão aparecendo em maior número. Eu aposto que Marco Reus, ponta-esquerda do Borussia Dortmund vai virar falso 9 em breve, podem anotar.