Por Juliano Cunha

Milton Sperafico criticou atual gestão da CBA e exigiu mudanças (Juliano Cunha/Banda B)

No último domingo (18), foi apresentado o último Acelera Banda B de 2016, que fechou o ano com a segunda entrevista com um dos candidatos à presidência da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA). São duas chapas que concorrem ao cargo: uma de situação é outra de oposição. No dia 27 de novembro, o entrevistado foi o candidato da situação Waldner Bernardo, o Dadai. Neste domingo (18), foi a vez de Milton Sperafico, que se declarou candidato de oposição da atual gestão.

A proposta inicial era de promover um debate, uma parceria entre a Banda B e o site Nobres do Grid, mas por conflito de datas entre os candidatos não foi possível, quando então nos programamos para realizar as duas entrevistas.

Durante a entrevista, que foi transmitida ao vivo também pela TV Banda B, pelo Facebook do Esportes Banda B, pelo site Nobres do Grid, além das rádios que estavam em cadeia, Milton apontou o que ele entende como falhas da atual gestão. Também expôs suas ideias e projetos caso seja eleito.

“Durante esses 4 anos que estive na vice-presidência, eu não fui chamado em nenhuma vez lá na CBA, nem o segundo, terceiro vice. Não fomos chamados para palpitar, para promover, para nada. Ficamos submissos às assembleias, que também não discutiam assunto nenhum”, afirmou. “A ideia principal é ir em cada federação e regionalizar, começando pelo kart, rally, velocidade, auxiliando e dando ideias”, concluiu.

Para ele, o ponto principal é unir-se com as federações em prol de buscar apoio das montadoras e de empresas ligadas ao automobilismo. Milton também entende que o momento é delicado e precisa de renovação, além de criatividade e foco nas competições como apoiadora, não apenas como órgão regulador.

O candidato é paranaense, ex-piloto e empresário do setor agrícola. A eleição para presidente da CBA acontece no dia 20 de janeiro. Estão aptas a votar 18 federações e a Associação Brasileira de Pilotos de Automobilismo (ABPA), porem esse número pode mudar caso algumas federações consigam participar da votação através de liminar.