O jogador Ronaldo está sendo processado por Michelle Umezu, de 27 anos, que afirma ter tido um filho com o atacante, há quatro anos. Os dois teriam tido apenas uma relação sexual, no Japão, onde a mãe da criança trabalhava como garçonete. O menino nasceu no Japão. Em entrevista ao Fantástico, no domingo (18), Michelle, que está no Brasil com o menino para o exame de DNA que comprovará a paternidade do jogador, contou a história.

Devido ao processo, que corre em segredo de Justiça, Michelle, uma descendente de japoneses muito bonita, porém, evitou dar detalhes sobre o caso. Porém, sua amiga Helena falou ao progama Globo e contou como tudo aconteceu.

“Eles se conheceram em 2002, durante o período da Copa e foi numa festa que teve numa boate”, contou Helena. Durante o primeiro encontro, Michelle e Ronaldo teriam apenas conversado.

Os dois voltaram a se encontrar em 2004, em uma festa dos jogadores do Real Madri, ainda no Japão. Essa teria sido a primeira e única vez que Michelle e Ronaldo tiveram uma relação sexual.

Depois de nove meses, em abril de 2005, Michelle deu à luz um menino. Nesta época, Ronaldo estava casado com Daniella Cicarelli.

A garçonete acreditava que o filho era de seu ex-namorado, um americano loiro, que registrou a criança. As suspeitas de que ele não seria o pai só começaram quando o bebê tinha seis meses.

“Quando o cabelo dele começou a enrolar com seis meses. Quando ele completou uns 6 ou 7 meses, eles resolveram fazer o teste de DNA, porque já estava evidente”, contou a amiga. O casal teria feito o exame de DNA duas vezes, em clínicas diferentes.

Helena diz que o menino se parece muito com Ronald, filho de Ronaldo com sua primeira esposa, Milene Domingues. E as imagens mostradas do menino provam que parece muito mesmo com o suposto irmão, fruto do casamento de Ronaldo com Milene Doningues.

Ainda de acordo com a amiga, Michelle teria procurado Ronaldo para falar sobre a paternidade. O jogador, por sua vez, teria respondido por email que era impossível ser o pai, pois tinha passado por uma vasectomia. Só então, que a mãe da criança resolveu entrar com um processo na Justiça brasileira.
Vale lembrar que depois disso Ronaldo teve duas filhas com sua atual mulher, Bia Antony.

O advogado do Ronaldo afirma que o jogador não se lembra de ter conhecido Michelle e nega a paternidade da criança.
“Nessas ações de investigação de paternidade é preciso tomar cuidado para não apontar simplesmente alguém como suposto pai. É preciso que o juiz se convença de que existe fortíssimo indício daquele apontado pai ter realmente se relacionado com a mãe para determinar o exame científico”, declarou o advogado.
Se for comprovada a paternidade, este será o quarto filho do jogador do Corínthians.