A apresentadora Eliana é, sem dúvida, uma das artistas mais bem sucedidas do momento. Isso não é nenhuma novidade, certo? Mas nesta entrevista inédita, a estrela do SBT se revela por inteiro. Num papo muito franco e verdadeiro, Eliana, que completa 37 anos nesta segunda (22/11/2010), dá sua opinião sobre temas bastante polêmicos. Confira!

Troca da Record pelo SBT
Valeu muito a pena. O público que eu tinha na Record veio comigo e também agreguei o do SBT, que gosta de programas de auditório. Hoje estou jogando no time de peixes grandes como Faustão, Gugu Liberato, Silvio Santos… E o mais bacana é ter o reconhecimento na emissora que me deu a primeira oportunidade. Ainda me emociono quando encontro pelos corredores da casa algum profissional que me conheceu naquela época e me viu crescer profissionalmente.

Maior dificuldade ao fazer a transição de apresentadora infantil para apresentadora dominical
Foi mudar o meu tom de voz. Eu não percebia, mas depois de tanto tempo falando para o público infantil, minha entonação havia ficado meio tatibitate. Quando eu abria a boca para falar, minha voz saia fininha, como se eu tivesse acabado de ingerir um monte de gás hélio (aquele usado para encher balões de festas). Tive de fazer um tratamento com fonoaudióloga para voltar a falar como uma mulher da minha idade.

Filhos
Desejo ser mãe, sim, mas ainda não tenho preparo emocional para criar um filho. Por isso, ainda não tomei coragem para tentar engravidar. Quero constituir família, mas acho que tem de ser no seu devido tempo. Como a medicina, hoje, corre a nosso favor, acho que ainda posso esperar um pouco. Brinco que eu e o João Marcello preferimos continuar só treinando (risos).

Aborto
Esse foi um tema muito discutido na última eleição, mas sempre de forma equivocada. Sei que posso ser mal interpretada, mas em vez de querer mandar para a cadeia cada mulher que recorre ao aborto, o governo deveria tratar o assunto de forma mais ponderada, analisar caso a caso. Além disso, é essencial promover educação sexual nas escolas para informar as meninas e os meninos sobre o uso de contraceptivos e da camisinha. Só assim se evita que mais jovens engravidem precocemente.

Reprodução