Reprodução

Alexandre Pires voltou às suas origens em seu trabalho chamado Mais Além. O álbum tem muito samba, estilo que lhe deu fama no grupo Só Pra Contrariar, também conhecido como SPC. Inclusive, na entrevista a seguir, Pires não descarta um novo encontro com os amigos da ex-banda.Mais Além, lançado em abril, sucede o CD e DVD ao vivo Em Casa (2008) – registrado quando o cantor voltou ao país depois de investir em sua carreira internacional.

O álbum tem diversas participações especiais. A primeira música de trabalho, Eu Sou o Samba, com Seu Jorge, já está nas rádios. O cantor ainda registrou sua primeira parceria com Thiaguinho, líder do Exalta Samba, em Sua Metade.

E o samba funk Mulher das Estrelas, homenageia uma das figuras mais importantes e simpáticas da música, Alcione.

O R7 conversou com Alexandre para saber mais detalhes sobre o assunto.

Veja.

R7 – Depois da sua volta ao Brasil registrada no DVD ao vivo Em Casa com diversos sucessos, como foi gravar material inédito?

Alexandre Pires – Eu estava com muita vontade de gravar um disco de músicas inéditas, depois desse DVD, que foi um sucesso. É um trabalho bem autoral, feito em casa, em Uberlândia (MG), com total liberdade. Mas a nova turnê terá as novidades e também os sucessos. Todo mundo quer ouvir os hits…

R7 – Falando nisso, como é o processo para escolher o repertório da turnê?

Alexandre – É muito difícil! É complicado fechar o repertório nesse momento. São meses batendo cabeça… Bom, as músicas novas são inevitáveis e quero colocar algumas do DVD, que eu não havia tocado antes. Ao todo, são 23 músicas nesse show.

R7 – Como aconteceu a participação de Seu Jorge, em Eu sou o Samba?

Alexandre – Seu Jorge é um amigo. Quando eu terminei Eu Sou o Samba, ela tinha uma base de funk e pensei nele. Liguei para o Seu Jorge e ele aceitou na hora. Gravamos rápido, mas ficamos horas no estúdio nos divertindo, batendo papo. Foi uma honra cantar com ele.

R7 – Com Thiaguinho, em Sua Metade, também foi nesse clima de amizade?

Alexandre – Também. Sempre nos encontrávamos e ficávamos querendo marcar algo para gravar. Enfim aconteceu. Gosto muito do trabalho dele, é um menino de muito talento. Essa é primeira de outras parcerias que irão surgir.

R7 – Você fez uma homenagem para a cantora Alcione, em Mulher das Estrelas. Qual é a sua primeira lembrança sobre ela?

Alexandre – A música fala exatamente disso. Lembro de ouvir a marrom (apelido da cantora) durante uma festa de revéillon em Uberlândia (MG). Eu era moleque, tinha uns seis anos, e a voz dela me marcou muito. Aquela coisa forte e potente. Alcione sempre era tocada nas festas lá em casa. Hoje, ela é uma referencia pra mim, inclusive tenho um pouco dela no meu estilo de cantar. Outra lembrança. Em 93, no primeiro show do SPC, abrimos um show da Alcione e ela deixou a gente tocar mais músicas do que o combinado. Sempre nos deu força. Essa é apenas uma pequena homenagem a ela.

R7 – E tem alguma possibilidade de você voltar a cantar com o Só Pra Contrariar? Tem algum projeto em andamento?

Alexandre – A gente tem uma vontade muito grande de fazer um projeto ou algo do tipo. Juntar a galera de novo… Não sei para quando, mas pode crer que isso irá acontecer. Quando uma banda se separa, sempre acontece alguma confusão. Mas com a gente foi diferente, ainda temos muita amizade e respeito.