Da AEN

A primeira estimativa para a safra paranaense de grãos de verão 2013/14 aponta para um aumento na área plantada de 0,3%, que corresponde a uma incorporação de quase 19 mil hectares a mais em relação ao plantio anterior. A área de plantio cresce de 5.805.502 hectares para 5.824.502 hectares.

safra-060913-bandabEm condições normais de clima, o volume de produção poderá atingir 22,6 milhões de toneladas, cerca de 3,6% menos que no mesmo período da safra passada (2012/13), que chegou a 23,4 milhões de toneladas.

Essas são as previsões do primeiro levantamento de intenção de plantio feito pela Secretaria estadual da Agricultura e do Abastecimento, divulgado nesta sexta-feira (06) pelo secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. Conforme a estimativa, deve ocorrer aumento na área plantada e na produção de soja, feijão e batata, e redução na área plantada e produção de milho da primeira safra, cebola e tomate.

Na avaliação de Ortigara, a estimativa de aumento de área para o plantio de grãos no Paraná é um indicativo que o ano 2012/13 que está encerrando foi bom para a agricultura paranaense e aponta para boas perspectivas para as próximas previsões.

Sobre a redução na área de plantio e produção de culturas como o milho, Ortigara explica que essas oscilações são normais e ocorrem motivadas principalmente pelos preços recebidos pelos agricultores. Muitos agricultores optaram em substituir o plantio de milho, durante a safra de verão, que está com cotações retraídas no mercado externo, pelas culturas da soja e feijão.

De acordo com o secretário, o clima da safra de verão anterior (2012/2013) ajudou o campo. “Tivemos clima favorável naquele período que contribuíram com o aumento da produtividade”. A expectativa é que essa tendência climática volte a favorecer a produção esse ano também, prevê Ortigara.

MAIS SOJA – A elevação nas cotações da soja nos últimos dois anos estimulou os agricultores paranaenses a ampliarem as áreas de cultivo. A previsão é de que na safra de verão de 2013/2014 sejam plantadas 4,85 milhões de hectares de soja, um crescimento de 3,6% de área em relação à temporada anterior. A perspectiva de produção é de 16,13 milhões, podendo superar em 2% a safra recorde de 2012/2013 que chegou a 15,82 milhões de toneladas colhidas no Estado.

Segundo análise dos técnicos do Deral, a quebra na safra norte-americana de grãos no ano passado, mais a redução na produção de soja na América do Sul na safra 2011/12 e a alta demanda pela commoditie, principalmente na China, está mantendo as cotações do grão em patamares elevados, em torno de R$ 65,00 a saca de 60 quilos.

FEIJÃO – A produção de feijão da próxima safra de verão poderá chegar a 426,8 mil toneladas, um aumento de 29% – cerca de 97 mil toneladas a mais do que a obtida na safra anterior. Segundo o levantamento do Deral, a opção pelo aumento de área (7,6%) e de produção (29%) do feijão da primeira safra se deve aos preços recebidos pelos agricultores, considerados satisfatórios.

No mês de agosto, a cotação da saca de feijão preto atingiu R$ 136,89, 42% acima do preço médio alcançado no mesmo período de 2012, quando a saca de 60 quilos estava em R$ 96,43. Já com o feijão de cor o produtor também teve um bom lucro, recebendo em agosto R$ 138,38 a saca, 24% acima do preço médio praticado de R$ 96,43.

MENOS MILHO – Em relação ao período anterior (2012/13), o milho da primeira safra deverá ter uma área de plantio de 711 mil hectares, uma redução de 18,9%, que correspondem a 165 mil hectares a menos para a safra de verão 2013/14. Os técnicos do Deral apontam que a maior parcela desta área foi destinada para as culturas da soja e feijão.

A estimativa para a próxima safra de milho aponta para um volume de 5,9 milhões de toneladas, queda de 17%, o que equivale a redução de 1,246 milhão de toneladas em relação à safra 2012/13.

Entre os fatores que influenciaram na redução de área plantada e na produção de milho estão os preços praticados no Paraná, e a previsão de uma boa safra do grão nos Estados Unidos. Em 2013, o cenário vem sendo menos positivo, com queda significativa nas cotações a partir do último mês de março. O preço médio recebido pelos agricultores em agosto deste ano ficou em R$ 17,42 a saca de 60 quilos, com queda de 35% em relação ao mesmo período de 2012, cotada na época a R$ 26,66 a saca.

A cada ano observa-se que o cultivo do milho vem apresentando expressivos avanços tecnológicos, o que resulta em incrementos significativos na produtividade e qualidade do produto. Na primeira safra, a produtividade média obtida no início dos anos 2000 era de 5 mil quilos por hectare. “A média alcançada, por exemplo, na última safra ficou em 8.158 quilos por hectare, um avanço de 63% no período”, comparou a engenheira agrônoma Juliana Tieme Yagushi, do Deral.

BATATA, MANDIOCA, CEBOLA E TOMATE – Em outras culturas produzidas no Paraná, a estimativa do Deral mostra que haverá incremento no plantio de batata na próxima safra de verão (2013/14). A área de plantio poderá crescer 9,2%, passando de 15,6 mil hectares para 17 mil hectares. Na produção a expectativa é de uma colheita de 483,4 mil toneladas, cerca de 61 mil toneladas a mais que a obtida na safra anterior.

Para a cultura da cebola, a previsão indica para redução no plantio. deverão ser plantados 5,8 mil hectares, cerca de 1,1 mil hectares a menos que a temporada anterior. A maior parcela desta área deve se destinar às culturas de feijão e batata, dizem os técnicos do Deral. A produção deverá chegar a 132 mil toneladas, contra as 145,3 mil toneladas colhidas na safra passada.

A previsão para a cultura do tomate também aponta redução de área de plantio e de produção. Os altos custos de produção e os preços mais atrativos de outras hortaliças foram os principais fatores que influenciaram na decisão dos produtores em reduzir a área de plantio. A safra de verão 2013/14 prevê 2,9 mil hectares de área – redução de 5,5%, e uma produção de 184,6 mil toneladas, diminuição de 2,5% em relação ao período anterior.

Apesar dos excelentes preços recebidos pelos produtores de mandioca, com variação durante o mês de agosto entre R$ 390,00 a R$ 400,00 a tonelada da raiz, a área para a próxima safra será de apenas 1,6% superior ao período anterior. Os motivos para o baixo crescimento de área são basicamente a disputa de terra pela cana-de-açúcar, pela soja e principalmente a falta de mão de obra, que vem limitando o plantio da mandioca no Paraná. A previsão é que a safra de verão 2013/2014 da cultura tenha uma área de 172,2 mil hectares, e uma produção de 3,82 milhões de toneladas.