Redação com Fecomércio-PR

A liberação dos saques das contas inativas do FGTS influenciou positivamente a intenção de consumo dos paranaenses. O indicador de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), elaborado pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) e divulgado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR), está em 95 pontos neste mês e registrou alta de 0,7% com relação a fevereiro e aumento de 7,1% na comparação com março de 2016.

O indicador nacional está em 78,2 pontos e obteve variação mensal positiva de 1,4%, mas cresceu apenas 0,9% na análise interanual.

Perspectiva de consumo

A Perspectiva de Consumo, um dos principais indicadores que compõem a ICF, teve alta expressiva de 19,2% do mês passado para cá e de 52,8% quando comparada a março de 2016. Tal incremento no componente pode ser atribuído à expectativa dos saques do FGTS inativo, que começou a ser liberado no dia 10 de março. O saldo total das contas inativas é de 43,6 bilhões, sendo R$ 3,1 bilhões no Paraná, o quarto Estado com maior volume de trabalhadores com direito à retirada do benefício.

Momento para bens duráveis

Como 8 em cada 10 paranaenses estão endividados, a maioria utilizará o dinheiro extra do FGTS para saldar suas dívidas. Por isso o subitem Momento para Duráveis, que mede a percepção do consumidor para compra de bens de maior valor agregado e que normalmente requerem parcelamento, demonstra queda de 8% na comparação mensal e cresceu apenas 1,1% em relação a março de 2016. Os paranaenses demonstram estar cautelosos com esse tipo de aquisição.

Emprego

A situação no Emprego Atual, componente no qual os entrevistados relatam seu nível de segurança em relação ao trabalho, é de 113,4 pontos e aumentou 0,6% na comparação com fevereiro. Depois de uma série de quedas desde abril de 2016, o indicador voltou a subir a partir de dezembro passado. Mesmo assim, a segurança no emprego atual é 0,8% inferior à registrada em março do ano passado.

Com 95,1 pontos, a Perspectiva Profissional caiu 1,8% com relação a fevereiro, mas está 1,1% acima da percepção expressa em março de 2016.

Renda

Os paranaenses avaliam que a Renda Familiar está 2,2% melhor do que em fevereiro. Na comparação anual houve elevação de 1%. Já o indicador Acesso ao Crédito apresentou melhora tanto na variação mensal, com alta de 2,2%, quanto no comparativo anual, com aumento de 7,4%.