Da Redação

O final do ano vai chegando e as vagas temporárias no comércio começam a surgir. Segundo uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), em parceria com a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL), mais de 230 mil vagas temporárias serão criadas neste ano e, pelo menos, 14% delas serão efetivadas no final do período contratado.

rosa-03102013-desSegundo o estudo, cerca de 19% dos empresários já iniciaram as contratações temporárias e outros 27% começarão os processos neste mês. Um total de 48% dos entrevistados afirmam que contratarão em novembro e, 5% deles somente buscarão os trabalhadores em dezembro.

De acordo com o levantamento, representativos 43% dos empresários ouvidos afirmaram que farão contratações informais, ou seja, não pretendem assinar a carteira de trabalho dos temporários. “Sabemos que um dos gargalos em nossa economia é o elevado custo dos encargos na folha de pagamento, mas essa dificuldade não pode ser desculpa para desvios de conduta, até porque resultam em passivos trabalhistas, que ficam muito mais caros para os empregadores, onde todos perdem” pondera o gestor-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Curitiba, André Luiz Pellizzaro.

Mão de obra

As vagas temporárias mais procuradas pelo mercado são para vendedores (32%), caixa de loja (16%) e estoquista (13%). Já com relação ao perfil buscado, a pesquisa revela que os trabalhadores mais procurados pelo comércio são os jovens com idade entre 18 e 24 anos. Já no setor de serviços, os trabalhadores mais procurados têm entre 25 e 49 anos.

Entre os empresários, apenas 13% deles disseram que está fácil de achar os profissionais para as vagas. Dos que relataram dificuldade para achar os candidatos, 46% deles afirmaram que faltam profissionais capacitados no mercado.