Da Forbes

O CEO da Starbucks, Howard Schultz, resolveu “protestar” contra a decisão de Donald Trump de restringir a entrada de imigrantes nos EUA. O executivo afirmou que pretende contratar 10.000 refugiados nos próximos cinco anos.

O decreto de Trump proíbe a entrada nos EUA de imigrantes e refugiados, em um prazo mínimo de 90 dias. A decisão mira nascidos no Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão e Iêmen. Já os refugiados da Síria tiveram a proibição de entrada por prazo indefinido. O ato de Trump gerou uma onda de críticas, vindas até mesmo de grandes executivos e empreendedores norte-americanos.

O fundador e CEO da Airbnb, Brian Chesky, afirmou que sua companhia vai oferecer abrigo gratuito aos refugiados e a outras pessoas que não estejam permitidas de entrar no país. O cofundador do Google, Sergy Brin, juntou-se ao protesto que ocorreu no Aeroporto Internacional de San Francisco, contra a decisão de Trump de expulsar imigrantes. Os CEOs da Tesla, Facebook, Apple e Microsoft também tuitaram, enviaram e-mails ou fizeram declarações públicas que desaprovam as atitudes do presidente dos EUA.

As informações são da Revista Forbes.