(Foto: Divulgação/AEN)

 

O Programa de Monitoramento de Carcinofauna, desenvolvido pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa), já registrou em suas amostragens 20 espécies de siris e caranguejos nos ecossistemas de manguezais nos arredores dos Portos do Paraná.

“Monitoramos de maneira inédita o estado de conservação da fauna e da flora nas Baías de Paranaguá e Antonina com o objetivo de minimizar os impactos da atividade portuária sobre os ecossistemas existentes”, explica Luiz Henrique Dividino, diretor-presidente da Appa.

Desde o início do monitoramento, em 2014, já foram feitas 16 ações, nas quais foram coletados nas três áreas mais de 2 mil indivíduos.

O monitoramento abrange o manguezal da Oceania, localizado à leste do porto, manguezal do Embocuí, localizado próximo à foz do rio Embocuí e manguezal de Amparo. São analisadas a quantidade e sazonalidade dos indivíduos de cada espécie; sexo dos animais (no caso das fêmeas, se está ovada ou não); estágio de maturação (juvenil ou adulto); e a medidas das carapaças.

“Estas espécies são bioindicadores que nos permitem monitorar o meio ambiente ao redor do porto. Realizamos coletas de amostragens destes animas em pontos distintos dos mangues, e posteriormente trazemos eles para laboratório para analisá-los”, diz o diretor de meio ambiente da Appa, Bruno Guimarães.

Resultados e curiosidades

“Na primavera e no verão, há uma maior atividade reprodutiva e consequentemente maior abundância e riqueza de espécies”, afirma André Cattani, oceanógrafo da equipe de monitoramento.

Uma das espécies encontradas, popularmente chamada de “chama-maré” (Uca spp.), tem uma garra maior do que a outra e, com ela, realiza um movimento repetitivo similar a um “chamamento”, com o objetivo de proteger seu território.

Outra espécie monitorada é o caranguejo-uçá (Ucides cordatus) que tem importância econômica para as comunidades pesqueiras por seu valor comercial. São realizadas avaliações das tocas desta espécie presentes nos locais monitorados e verificação da atividade ou inatividade destas tocas, sendo assim possível estimar a quantidade de animais.

O que diz a lei sobre caranguejo

Neste verão, a temporada de caça do caranguejo-uçá vai de 01 de dezembro a 14 de março. Durante este período, fica permitida apenas a captura artesanal (feita com as mãos) e apenas de machos com carapaça igual ou maior que sete centímetros. As medidas de fiscalização e os cuidados durante a caça têm o objetivo de proteger, garantindo a perpetuação da espécie.

De 15 de março a 30 de novembro de 2018, período em que ocorre a desova e crescimento dos animais, a captura e comercialização dos animais machos são proibidos novamente. As fêmeas e os animais com dimensões inferiores a sete centímetros não podem ser capturados, nem comercializados, em nenhuma época do ano.

Ações de Meio Ambiente Appa

O Programa de Monitoramento da Carcinofauna faz parte do Monitoramento da Biota Aquática e Determinação de Bioindicadores.

O objetivo do trabalho é observar e analisar a presença e a qualidade das espécies existentes no entorno dos Portos do Paraná em diferentes períodos do ano. O Programa observa animais de todos os portes, desde os maiores e mais conhecidos, como os golfinhos, aos menores e microscópicos, como os siris e plânctons. O programa integra o Plano de Controle do Sistema de Gestão Ambiental implantado pela Appa no final de 2013.

Toda a comunidade portuária mobiliza-se para atingir os melhores resultados com ações sociais e ambientais nas regiões próximas aos portos.

Nos últimos seis anos, a Appa investiu cerca de R$ 35 milhões em meio ambiente. Até o fim de 2018, outros R$ 32 milhões estão previstos, para dar continuidade e aprimorar os mais de 40 projetos e programas que estão em andamento.