Os moradores de Tijucas do Sul, na região metropolitana de Curitiba, promoveram uma ‘vaquinha’ para arrumar uma importante estrada municipal. A arrecadação de dinheiro para a manutenção foi o último recurso dos moradores, já que eles relatam que há dias tentam acionar a prefeitura do município, sem sucesso. As informações são do Jornal Informativo Popular. A Prefeitura de Tijucas do Sul alegou que a manutenção das estradas é um desafio e as chuvas dos últimos dias potencializaram os problemas, inclusive, em outras áreas mais críticas.

A estrada é a Professor Amélia Buenos dos Santos, principal da região do Campestre, que liga uma comunidade de produtores a outras regiões da cidade. Com intensas chuvas, a estrada de chão acumulou água com bueiros entupidos, fez desníveis na estrada e impossibilitou a travessia de veículos – grandes ou pequenos. O único desvio tem cerca de 5 quilômetros a mais e também é precário.

Após diversas tentativas, os moradores resolveram agir – às margens dos serviços municipais. Eles realizaram um mutirão, contrataram máquinas e fizeram uma melhoria na estrada. Antônio Silva, membro da Igreja Metodista, fez roçada na estrada e garantiu que não havia condições de atravessar a estrada municipal.

“Não tinha como chegar na igreja por essa estrada, tem a água que não escoa em lugar nenhum. Se de carro já é difícil passar, a pé fica pior ainda. Estamos nos reunindo para colaborar. Até a igreja está participando com dinheiro”, disse, em entrevista.

A retroescavadeira e as pedras utilizadas na melhorias foram levadas ao local por meio da contratação de empresas particulares, mediante pagamento efetuado pelos moradores.

A fumicultora Cristiane Ferreira, que mora próximo a estrada, disse que o trabalho da família estava sendo prejudicado. “A gente resolveu arrumar, fizemos uma parceria e pagamos para fazer o que a prefeitura tinha que ter feito pra gente né? A estrada estava dando muito problema pra gente, plantamos fumo e até o nosso trator estava enterrando. Não dava mais”, criticou.

A dificuldade de acessar a estrada prejudica toda a população da região. Professor Claudeir é morador do Campestre e também atua no Legislativo, como vereador da cidade. Ele também participou do mutirão para a recuperação da estrada. “Eu estou aqui como morador da região de Campestre porque meu papel como legislador eu fiz pedindo para que tivesse serviço de manutenção. Infelizmente, é lamentável a situação aqui, mais de vinte famílias da região do Tucunduva que estão sem o direito de ir e vir”, criticou o vereador.

A estrada é bastante utilizada por produtores de cogumelos, de morangos, fumicultores e pessoas de entidades religiosas. “Têm agricultores 5 quilômetros a mais para irem às suas lavouras trabalhar porque não conseguiam passar por essa estrada”, finalizou o vereador.

Retorno

A Prefeitura de Tijucas do Sul vê a manutenção das estradas municipais como um desafio. O prefeito Cesar Matucheski falou à Banda B que as chuvas dos últimos dias prejudicaram boa parte da população do município. “Em qualquer cidade do Paraná houve um acúmulo de água por causa das chuvas, tivemos problemas em bueiros que tivemos de substituir, de novembro para cá tivemos cinco pontes com problemas e que tivemos que refazer. Isso acabou atrasando os trabalhos nas estradas, temos apenas uma equipe trabalhando, o que nos restou ainda da última gestão, são poucos funcionários e equipamentos, também”, disse ele.

Sobre a região do Campestre, o prefeito garantiu que a situação se agravou na segunda-feira. “A chuva nesse dia teve um volume muito grande e ela foi contínua, prejudicando ainda mais. Lá é um problema no bueiro e a água acaba passando por cima. Temos 28 comunidade, 1,5 mil quilômetros de estrada de chão e a chuva foi rigorosa nesses 1,5 mil, então, vamos demorar um tempo para chegar em todas”, finalizou o prefeito Cesar Matucheski.

Vídeo

Assista a um vídeo produzido pelos moradores da região: