Protesto do MST na praça de pedágio em Arapongas – Foto: PRF

A hashtag #QueroMeAposentar lidera as menções no Twitter Brasil na manhã desta segunda-feira, 19. O termo é utilizado pelos usuários que protestam contra a reforma da Previdência, e acompanha os posts dos movimentos sociais que realizam manifestação contra o projeto nesta data.

No Paraná, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) interditou um trecho da PR-170, na região central, na manhã desta segunda-feira (19), de acordo com a Polícia Rodoviária Estadual (PRE). O trecho fica perto de Entre Rios, distrito de Guarapuava, no km 392 da rodovia.

Protesto do MST no pedágio de Arapongas – Foto: PRF

No norte do estado, integrantes do MST bloquearam a praça de pedágio de Arapongas. Cerca de 300 integrantes participaram do protesto, segundo a PRF. As cancelas foram liberadas para passagem dos veículos sem pagar a tarifa. Segundo informações obtidas através de manifestante do local, a motivação seria protesto contra a reforma da previdência.

Em São Paulo, sindicatos de bancários, metalúrgicos do ABC e motoristas e cobradores de ônibus do ABC e Guarulhos, fazem um dia de paralisação contra a reforma. Outros movimentos sociais também fizeram bloqueios parciais em rodovias que ligam a capital paulista aos Estados do Paraná e Rio de Janeiro.

A rodovia Régis Bittencourt amanheceu bloqueada por pneus queimados, mas foi liberada pouco antes do fechamento deste texto, informou a Arteris em seu perfil no Twitter.

A rodovia Presidente Dutra também teve pistas interditadas por manifestantes na altura de Guarulhos.

As manifestações estavam programadas há dias e eram projetadas para coincidir com o início da votação da reforma da Previdência em Brasília, agendada para esta semana. No entanto, por causa da intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro, o tema foi retirado da pauta do Congresso.