Foto: SMCS

 

Diante dos protestos pela reabertura da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade Industrial de Curitiba (CIC), o prefeito Rafael Greca disse nesta quarta-feira (24) que a solução para o local está na terceirização do espaço, mas que uma liminar tem impedido o funcionamento até aqui. Na última quinta-feira (18), manifestantes bloquearam a Rua Senador Accioly Filho e a Avenida Juscelino Kubitschek de Oliveira por cerca de 40 minutos.

“Os moradores fazem muito bem e me ajudam de protestar. Estamos pedindo no Tribunal de Justiça o direito de abrir a unidade com um serviço mais em conta e terceirizado, mas tem um promotor público que é contra. Há recurso e busco um modelo melhor para a gestão. As UPAS terceirizadas, segundo indicação de preços que fizemos, custam R$ 500 mil a menos”, garantiu o prefeito.

A UPA da CIC está fechada desde novembro de 2016 e, assim, cerca de 400 atendimentos deixam de ser feitos por dia. O fechamento, ainda na gestão do prefeito Gustavo Fruet, foi para o prédio receber melhorias estruturais e garantir melhores condições de atendimento aos pacientes. A reabertura estava prevista para o primeiro trimestre do ano passado, o que não se confirmou.

Em nota na última semana, a administração municipal informou que estava realizando a qualificação das organizações sociais para aplicação no gerenciamento da UPA CIC. “Contudo, um pedido do Ministério Público na Justiça suspendeu liminarmente esse processo até o julgamento do mérito, o que impede de precisar, neste momento, a data de abertura da unidade”, disse a prefeitura em nota.

Notícia Relacionada: