(Foto Jonas Oliveira/Governadoria)

 

A governadora Cida Borghetti anunciou nesta quinta-feira (10), durante a terceira reunião das forças de segurança pública do Estado, a abertura de novas vagas no sistema prisional do Paraná. Entram em funcionamento as primeiras 11 celas modulares, com capacidade para 132 pessoas. No total serão 57 unidades para todo o Estado, que abrigarão 684 presos.

“A determinação do nosso governo é manter o diálogo e dar respostas rápidas à sociedade. É fundamental estruturar uma nova política pública que atenda as demandas e humanize o sistema carcerário”, afirmou Cida.

As 11 celas modulares atenderão a Região Metropolitana de Curitiba. São oito na Penitenciária Estadual de Piraquara, para receber 96 presos, e outras três na Penitenciária Feminina do Paraná, para 36 pessoas. Estão previstas instalações, ainda, nas regiões de Curitiba, Cornélio Procópio, Londrina, Maringá e Ponta Grossa. O investimento é de R$ 8 milhões.

“Esse é o primeiro passo dado em conjunto para que se possa avançar ainda mais nessa questão”, afirmou o secretário especial da Administração Penitenciária, coronel Hélio de Oliveira Manoel. “Neste momento são 132 novas vagas no sistema, mas há a perspectiva de um total de 1.600 novas vagas que podem ser abertas no sistema prisional do Paraná ainda neste ano”, afirmou ele. Além das 57 celas modulares, estão em execução três obras de construção e ampliação de penitenciárias no Paraná, uma em Campo Mourão e duas em Piraquara.

União e integração

Participaram da reunião das forças de segurança pública secretários de Estado e comandantes das polícias estaduais, representantes do Poder Judiciário, do Ministério Público, da Defensoria Pública e de instituições parceiras. A governadora destacou que essa união de forças marca um momento diferenciado no Estado. “Trabalhamos em prol de um objetivo em comum. Estamos todos do mesmo lado e, tenho certeza, juntos podemos escrever uma nova história para o sistema carcerário do Paraná”, afirmou.

O promotor de Justiça, André Glitz, afirmou que a criação desse grupo foi essencial para que obter avanços nessa área. “O diálogo, transparência e apresentação de propostas por parte do Governo do Paraná demonstra vontade de uma política pública concreta. Isso passa tanto por abertura de novas vagas quanto pela qualificação do tratamento penal”, afirmou.

Para o desembargador Ruy Muggiati, do Tribunal de Justiça do Paraná, o grupo diversificado traz novas ideias, experiências diferentes para a construção da política pública para esta área. “Precisamos dar o atendimento adequado para cada segmento da população carcerária”, disse ele.

O secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Júlio Reis, reforçou a abertura do Governo do Paraná ao diálogo e a novas propostas. “Essa área depende do envolvimento de todos e estamos abertos a novas ideias para que possamos construir uma segurança cada vez melhor”, afirmou.