Reprodução

 

Diante de uma última tentativa da defesa para adiar o julgamento do ex-deputado Luiz Fernando Ribas Carli Filho, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) negou nesta terça-feira (30) o pedido para mudar a cidade de realização do júri popular. Aguardado desde 2009, ano do acidente que deixou dois jovens mortos, o júri recebeu em novembro do ano passado a autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para acontecer.

Advogado da família Yared e assistente de acusação no processo, o advogado Elias Mattar Assad demonstrou otimismo para esse mês final de aguardo, mas não descartou a possibilidade de um novo adiamento. “No dia uma pessoa pode faltar, uma testemunha importante pode ficar doente e apresentar atestado, então são várias formas. Há também o remédio do desaforamento, que é o pedido para que o julgamento não aconteça, mas não creio que o tribunal irá atender”, disse Mattar Assad antes de saber da nova decisão judicial.

Carli Filho é acusado pela morte de Gilmar Rafael Souza Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Souza, de 20. O acidente aconteceu em 7 de maio de 2009. Carli Filho estava com a carteira de motorista suspensa (130 pontos) e, segundo a perícia, decolou com seu veículo a 173 km/h, aterrissando sobre o veículo em que as vítimas estavam. Em agosto de 2009 o Ministério Público do Paraná (MP-PR) ofereceu denúncia criminal contra ele por duplo homicídio doloso eventual. Em 2011 foi confirmado pela Segunda Vara do Júri de Curitiba que ele deveria ser julgado por um júri popular, mas novos recursos levaram o caso até o STF.

Para Mattar Assad, todos os requisitos para a condenação estão na mesa. “Temos uma confissão dele que bebeu, temos a velocidade na perícia que vai até 173 km/h, temos 130 pontos na carteira na carteira dele, temos um semáforo piscando em amarelo e indicando um cuidado redobrado, e ainda temos a decolagem e aterrissagem em cima do carro das vítimas 30 metros além do cruzamento”, comentou.

Caso seja condenado, cabe ao juiz pedir prisão ou autorizar que Carli Filho ainda responda em liberdade aos possíveis recursos.

O júri popular de Carli Filho está marcado para acontecer nos dias 27 e 28 de fevereiro, no Tribunal do Júri de Curitiba.