O pequeno Benjamin Alexandre Decol terá uma história e tanto para contar para os amigos quando crescer: com pressa para vir ao mundo, ele nasceu dentro do terminal de ônibus Vila Angélica, em Araucária, na região metropolitana de Curitiba. O bebê e a mãe, Cláudia Alexandre de Paula, de 35 anos, contaram com a ajuda de ‘anjos da guarda’, entre funcionários do local e uma agente de trânsito, para que o parto fosse realizado com sucesso.

Era início da tarde desta segunda-feira (5) quando Cláudia retornava de ônibus de uma consulta médica de rotina. “Ela estava dentro do coletivo e, de uma hora para outra, começou a sentir dores muito fortes. Por isso, resolveu descer no terminal. Lá, o pessoal a recolheu em uma sala e chamou ajuda. Graças a Deus ela recebeu todo o apoio necessário e deu tudo certo”, relatou o marido Neuci Decol, 47, em entrevista à Banda B.

Benjamin nasceu com muita saúde. (Foto: Arquivo pessoal)

Uma das anjas que apareceu na vida de Cláudia nesse momento foi a auxiliar de limpeza Márcia Lopes, de 45 anos, que trabalha no terminal. Ela estava no horário de almoço quando um guarda chegou e avisou que havia uma gestante passando mal no meio dos passageiros. “Eu fui até lá e vi que a mulher estava de pé, se queixando de muita cólica. Ela contou que sentiu um líquido quente nas pernas e eu falei que a bolsa tinha estourado, que conhecia bem a sensação, porque tinha quatro filhos. Mas ela não acreditava, dizia que com a outra menina que ela teve não foi assim”, comentou a auxiliar.

Márcia então pediu para que o guarda colocasse a futura mamãe em uma cadeira de rodas e a levou até uma sala no próprio terminal. “Eu corri para tentar encontrar papelão, mas não achei. Peguei saco de lixo mesmo, coloquei no chão e deitei a Cláudia ali. ‘Subi’ na barriga dela, enquanto outra vigilante segurava a sua mão, e pedi para que ela fizesse força. Quando a cabeça da criança começou a sair, a agente de trânsito chegou e eu disse ‘agora é com você’, porque ela falou que era enfermeira… Eu nunca tinha feito algo assim, estava suando tanto, mas fiquei bem calma na hora”, completou.

O parto

A agente de trânsito mencionada pela Márcia é a Keitiane Ferreira, de 30 anos, outra anja que apareceu na vida de Cláudia. Ela foi chamada para ajudar enquanto estava em patrulha junto com o parceiro de viatura. “Eu tenho curso de enfermagem, sei toda a parte teórica, mas na prática é outra situação. Eu assisti parto no estágio, mas era sempre o médico que orientava e, dessa vez, eu tive que tomar a frente. Foi inesquecível, uma experiência única, não tenho nem como explicar”, disse.

Quando entrou na sala preparada pelos funcionários do terminal, Keitiane se deparou com a Cláudia já em posição de parto. “Ela precisava de mais confiança para dar seguimento ao parto, que evoluía bem… Eu disse que era enfermeira e que estava ali para ajudar e ela ficou mais calma, um fator bem relevante para essa situação. Foi tudo muito rápido, em questão de dois, três minutos eu já tinha o bebê nos meus braços”.

O contato tão emocionante entre Keitiane e Benjamin não terminou por aí. Hoje pela manhã, a agente de trânsito e o parceiro de viatura foram visitar o recém-nascido no hospital. “Nós tiramos fotos e eu já me propus a ir até a casa dele, para vê-lo em um ambiente mais tranquilo. Isso será algo que eu vou levar para a vida toda, com certeza”, concluiu.

Mãe e filho estão no hospital, passam bem e devem receber alta nesta quarta-feira (7).