Uma boa parcela dos moradores dos centros urbanos prefere morar em condomínios por se sentirem mais seguros.

Mas será que estão realmente seguros, ou apenas se sentem seguros.

Infelizmente a resposta correta é, apenas se sentem seguros, por morarem em com outras pessoas e dividirem o mesmo espaço comum, mas na prática estão correndo os mesmos riscos que correm as pessoas que moram em casas de rua.

A segurança depende muito mais da postura do morador e no caso dos condomínios, se um morador não seguir as normas de segurança ele irá comprometer a segurança de todos os moradores.

É comum vermos reportagens sobre como é fácil entrar em um condomínio, quer seja pela falta de segurança instalada, pela postura dos moradores e até mesmo pelo modo de se portar dos porteiros.

Por isso que a cada dia mais a tecnologia está sendo usada para aumentar a segurança, quer seja numa simples casa ou num grande condomínio, quer seja ele horizontal ou vertical.

Outra tendência é a mudança do porteiro convencional pelo porteiro virtual, que além de diminuir os custos fixos do condomínio, ainda aumenta e em muito a segurança, pois como o porteiro não está presente no local, não há o risco de ele ser rendido ou até mesmo de deixar pessoas não identificadas entrarem.

E como os moradores irão entrar através de controle de reconhecimento facial ou biométrico o nível de segurança de acesso aumenta, até porque numa situação convencional o morador não se sente a vontade para perguntar se quem está querendo entrar junto no com domínio é ou não morador, mas com o

controle virtual essa cobrança é tirada do morador e passa para o operador do sistema.

E qualquer pessoa que vá entrar no condomínio terá sua foto registrada e seus passos no condomínio monitorado até sua saída.

Por isso entre a portaria convencional e a virtual em termos de segurança a virtual tem um nível muito maior de controle.

E nunca esqueçam, prevenir é sempre o melhor remédio, e para ver outras matérias, acesse www.coronelcosta.com.br