Um bom gestor aparece nos momentos de crise.

E nosso país está passando por uma crise muito grande, apesar dos indicadores econômicos estarem sinalizando que estamos saindo da crise, ainda há muita falta de recursos para serem investidos na Segurança Pública.

(Imagem ilustrativa/Divulgação)

E o que percebemos infelizmente é que os responsáveis pelos investimentos na segurança pensam apenas em adquirir viaturas e equipamentos, mas não investem em “inteligência da informação”, com a finalidade de integrar todas as estruturas já existentes e que se somadas teriam um grande retorno na segurança e no bem-estar da população.

Cito como exemplo o grande número de vigilantes que diuturnamente estão em pontos estratégicos, quer seja, em postos de serviços ou em rondas, onde presenciam muitos fatos, muitos crimes e delitos, e poderiam ser utilizados como informantes ou observadores da polícia.

A tecnologia hoje disponível, ex.: WhatsApp, onde as informações de um roubo de veículo poderia, em poucos minutos, estar disponível para milhares de vigilantes, que se vissem o carro roubado poderiam informar a localização e agilizar a ação da polícia.

Outro exemplo: ao estar de serviço em uma agencia bancária, e constatar um carro suspeito, poderia repassar a informação que seria checada no centro de operações da PM e se constatado a irregularidade do mesmo, a polícia de imediato poderia agir e evitar um provável assalto ou recuperar um carro roubado e abandonado.

E posso afirmar que tal iniciativa é viável e funciona, pois quando era Major e comandava o COPOM, por aproximadamente 03 (três) anos tal parceria funcionou e trouxe grandes resultados.

Outras parcerias que poderiam ser integradas:

Taxistas, Uber, Câmeras da Urbs, Câmeras dos radares, Conselhos Comunitários, Usar as câmeras que a população têm, voltadas para a rua e que são imagens públicas, etc….

Mas nunca esqueçam que PREVENIR é sempre o melhor remédio.

Para ver outras dicas de segurança, acesse www.coronelcosta.com.br