Ao analisarmos os índices de violência que todos os dias presenciamos, quer seja essa violência feita contra pessoas estranhas ou até mesmo com pessoas que conhecemos, percebemos que a cada dia que passa os marginais estão se tornando mais violentes e na maioria dos casos a violência é simplesmente decorrente de um sadismo injustificável.

Mas se analisarmos mais profundamente, perceberemos que a violência que era praticada até a pouco tempo atrás era em sua grande maioria decorrente de uma reação da vitima que ao reagir acabava provocando uma reação violenta por parte dos marginais, mas atualmente o que vemos é que independente da reação da vitima os marginais estão mais violentos.

Esse aumento da violência é um reflexo da impunidade, pois como os marginais sabem que independente do crime que cometerem e da gravidade de suas ações, por mais que sejam presos, em poço tempo estarão livres e de volta as ruas.

Essa certeza da impunidade os fez se tornarem mais violentos para que ao se encontrarem com os seus “amigos” tenham mais “respeito”, pois quanto mais violentos, mais “respeito”. Apesar de parecer algo surreal esta á a realidade.

E se os marginais ao serem abordados pela polícia reagirem e atirarem contra os policiais, esse “respeito” aumenta e caso venham a ferir ou matar um policial essa atitude os colocará num nível de “status” ainda maior.

Se forem presos terão “poder e respeito” dos demais presos e como sabem que em virtude da legislação existente, por mais que venham a serem condenados, o que na pratica sabem que é pouco provável, pois conforme dados divulgados recentemente, para cada 23 homicídios realizados em Curitiba, apenas 01 vai a julgamento e mesmo que condenados em pouco tempo em virtude das progressões de regime a que os mesmos tem direito também logo estarão de volta às ruas.

Do outro lado dessa realidade está a população que a cada dia que passa está mais acuada e “prisioneira” em suas casas.

A lei do desarmamento ainda deu mais confiança para os marginais, pois sabem que o cidadão correto, honesto, decente e cumpridor da lei, estão em sua quase totalidade desarmados e sem nenhuma proteção, quer seja ela pessoal ou a ofertada pelo governo, que independente da propaganda veiculada nos meios de comunicação informando os investimentos e as melhoras na Segurança Pública, não conseguem mais cumprir com suas obrigações. Outro dado que corrobora com essa estatística é que os crimes que chegam a ser desvendados são aqueles que em sua grande maioria os autores foram presos em flagrante ou em virtude de sua repercussão na mídia.

Infelizmente os representantes da lei que são os policiais civis e os policiais militares em virtude da estrutura de que dispões estão de “mãos amarradas”, pois independente da vontade que tenham para fazer o seu trabalho não o conseguem.

A Polícia Científica que seria um órgão fundamental para que a grande maioria dos crimes fossem solucionados, da mesma forma estão com uma estrutura muito aquém do necessário, o que os impede de fazerem um trabalho de qualidade em todos os casos que chegam ao seu conhecimento.

Por isso se faz necessário que cada cidadão faça a sua parte, investindo cada dia mais em sua estrutura de segurança pessoal, mudando suas rotinas e evitando se expor em demasia para minimizar o risco de ser vitima de um criminoso.

Se tiver alguma dúvida ou alguma pergunta, mande para o meu e-mail[email protected]

* O Coronel Jorge Costa Filho é consultor em segurança. Formado em Administração de Empresas, tem doutorado em Segurança Pública. Profissional experiente, já comandou a Polícia Militar em Curitiba