Esta semana acompanhamos a prisão de um policial conhecido por todos os moradores da nossa Capital e da nossa Região Metropolitana.

Conhecido por ser um policial dedicado e que independente de onde esteja alocado, quando ocorre algo, ele sempre se faz presente acompanhando de perto tudo que ocorre e que envolva a segurança pública.

Mas, infelizmente foi preso esta semana. Não quero entrar no mérito, pois somente a justiça é competente para tal, mas o que causa estranheza é o não equilíbrio das ações, no que se refere ao tratamento dispensado aos marginais e aos policiais.

Os policiais tem a obrigação de colocar suas vidas em risco para proteger a sociedade enquanto o marginal apenas arrisca a vida ao encontrar esses valorosos profissionais, que sem medo os enfrentam no cumprimento do dever.

Infelizmente para um segmento de nossa sociedade a morte de um policial é algo banal e considerado parte do trabalho, mas quando um marginal, muitas vezes homicida, estuprador, agressivo e violente é morto em confronto com a polícia, como num passe de mágica se torna pessoa valorosa e vitima da própria sociedade que ele roubou, matou, estuprou, agrediu, etc…

E quando alguns representantes da justiça tem que tomar uma medida mais dura com esses marginais violentos, simplesmente recuam e não tem a coragem de os “encarar” e fazer cumprir o seu papel como fiscal da lei, mas em contrapartida, quando é para analisarem o caso de policiais que sabem serem cumpridores das leis e disciplinados, se enchem de coragem e chamam a imprensa para aproveitar os refletores e mostrarem à população que são impolutos e destemidos, pois sabem que não terão nenhuma ameaça que temer.

Pena que tal postura não se repita como disse, quando é para fazer o mesmo contra os verdadeiros bandidos que a cada dia mais estão usando de sua violência e maldade contra o cidadão comum.

Por isso é que pergunto?

Quem merece o respeito da sociedade e um tratamento mais digno por parte da justiça.

O Bandido que mata o pai de família, ou o policial que o defende.

Se o policial errou, com certeza terá que responder pelos seus atos, mas deve lhe ser dado o direito de defesa e não o humilhar e denegrir sua imagem,

pois depois de maculada uma reputação, por mais que se prove o contrário, o mal já está feito e a honra manchada.

Mas nunca esqueçam que PREVENIR é sempre o melhor remédio. Para ver outras dicas de segurança, acesse www.coronelcosta.com.br