Julgamento de policiais militares no Tribunal do Júri em Curitiba – Foto: Banda B

Presenciamos o maior julgamento no Estado do Paraná envolvendo policiais militares, que estavam respondendo por uma ocorrência onde marginais foram mortos, e por unanimidade foram absolvidos.

Não vamos entrar no mérito que o Ministério Público estava se apegando para condenar os policias, mas sim no que a defesa apresentou e colocou muito bem.

Todas as vidas são importantes, mas entre a vida do policial que protege a sociedade e a do marginal que mata o cidadão, o policial deve ser respeitado e protegido.

A sociedade não aguente mais ver marginais que cometem crimes, matam, agridem as vítimas, entrarem por uma porta da delegacia e sair liberado antes que os policiais e as vítimas que ainda permanecem na delegacia preenchendo formulários e mais formulários que no final não irão resultar em nada.

O marginal é o único que tem defensores em qualquer circunstância, enquanto que o cidadão não consegue na maioria das vezes nem registrar uma queixa e quando consegue não tem dinheiro par dar continuidade no processo.

O marginal sempre está com algum advogado pago por “instituições” que defendem os desfavorecidos (ladrões) pela sociedade, mas nunca se apresentam para auxiliar um cidadão de bem que foi vítima desses desfavorecidos….

Os jurados deram a resposta que toda a sociedade queria dar, que é VAMOS PROTEGER E DEFENDER OS QUE NOS DEFENDEM – VAMOS DEFENDER A POLÍCIA MILITAR.

Com essa postura e essa resposta, foram valorizados os policiais que arriscam diariamente suas vidas pela sociedade que protegem.

Não queremos chegar ao ponto em que chegou o Rio de Janeiro, e para isso temos que continuar a valorizar o trabalho dos policiais, pois com incentivo e apoio da população nossos bravos policiais irão continuar a trabalhar com afinco e dedicação sabendo que seu trabalho é respeitado e valorizado.

Parabéns aos jurados que souberam reconhecer o trabalho que a PM preta em nosso Estado.

Mas nunca esqueçam que PREVENIR é sempre o melhor remédio.

E caso tenham alguma dúvida ou sugestão para matéria, envie um e-mail para [email protected]