Rua alagada em Curitiba depois da forte chuva na noite do dia 3 de março – Foto: Colaboração Banda B

A indiferença das pessoas em relação ao impacto ambiental causado pela poluição, o aquecimento global, o descarte incorreto do lixo, a impermeabilização do solo e afins. Quanto descaso e com ele as consequências desastrosas. Nos deparamos com o mesmo há tempos.

Não podemos nos calar diante de tanta indiferença da população em relação a natureza. Os desastres naturais têm causado e irão causar muitos danos ainda a população, em especial nos grandes centros urbanos. Facilmente culpamos o poder público em tudo isto. Os fatos aqui são preponderantes e aferidos a ponto de solucionarmos tal dano.

O ser humano joga o lixo na rua, descarta no rio, nas praças e córregos, joga a bituca de cigarro, cobre o solo com calçadas e afins, tornando o solo impermeável e potencializando as enchentes e danos. Sem contar com o uso desordenado do solo. A chuva torrencial causas um dano devastador pela rapidez e tempo. Assim sendo, em cidades que possuem ações de desassoreamento dos rios, plantio de árvores de espécie nativas para cobrir e proteger o solo e o rio.

Mas se temos falado a tempos sobre este tema, por que os problemas aumentam?

Além da poluição e por consequência disto, as chuvas são potencializadas, bem como a ação e degradação do homem na natureza e políticas públicas de conscientização, educação e mudança de comportamento. Não basta as pessoas se aproveitarem deste fato e usarem politicamente o tema, mas atitude, o que se tem em forma diminuta.

Façamos nossa parte, todos juntos por um Planeta melhor, por uma cidade melhor e uma população saudável e feliz.

  • Evandro Razzoto  é coordenador de Ciência e Tecnologia da SETI – Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Governo do Estado do Paraná. Professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), consultor e palestrante ambiental. Além disso, escreveu o livro Eco Sustentabilidade: Dicas para tornar você e sua empresa sustentável, em que fala principalmente sobre como conciliar os três pilares da sustentabilidade (crescimento econômico, responsabilidade social e preservação ambiental) na gestão e marketing das empresas.