Não é de hoje que temos falado aqui e em outros canais sobre o lixo, seu impacto, logística reversa, separação e destino do lixo. Bem como a riqueza do lixo, renda e emprego. Mas me parece que além de um passivo intenso, nos falta informação e principalmente conhecimento acompanhado de atitude.

Tratar deste tema pode parecer polêmico, no entanto temos que entender alguns porquês disto, Primeiro, temos que conhecer, seja pelo interesse ou pela informação, não apenas do setor público mas também da sociedade de forma geral. Conhecer, saber, aprender, mudar comportamento para separar e destinar de forma correta o que é lixo reciclável, a forma de destino, lixo orgânico e afins.

Da mesma maneira que ainda não pagamos pela água, apenas pagamos o direito de uso. Uma tendência mundial pagar e pagar caro pelo lixo, água, energia e afins. Alguns países da Europa por exemplo, é cobrado por quilo e tipo de lixo e quando se destina de forma errada paga-se por isto. É preciso dar o devido valor aos bens e recursos naturais que temos e preservá-los. Não apenas a água, mas também as florestas, nascentes e afins.Os lixões esgotamos, o descaso das pessoas e do poder público, as ações do homem degradando a natureza e a falta de conhecimento tem levado as cidades a um passivo ambiental enorme. Mas o que podemos fazer a respeito? Fiscalizar o poder público sim, mas o mais importante é ir em busca de conhecimento, fazer a diferença, reciclar, reutilizar, buscar o equilíbrio no destino do lixo e juntos transformarmos este passivo em ativo.

Com uma cadeia de processos, geramos renda e emprego digno a pessoas, reduzimos o custo do processo e o impacto ambiental tão danoso ao nosso Planeta. Vamos juntos cuidar deste passivo tão grande e transformar o lixo em riqueza, em benefícios?