Imagem ilustrativa

Temos falado tanto em cidades inteligentes, cidades digitais, cidades conectadas, mobilidade urbana e tantos outros assuntos. Só esqueceram de dizer que lugar de lixo é no lixo. Uma sociedade que não cuida do ambiente em que vive deve rever seus conceitos. Que cidades queremos?

Tratar de cidade inovadoras é sim muito relevante. Desde a forma de se locomover, poluição, transporte público, renda e emprego, economia e sociedade. Temos investido em pesquisas, projetos, mas o básico que é destinar corretamente o lixo, isto piora a cada dia. Seja em Curitiba, São Paulo, Londrina ou Foz do Iguaçu, tenho em todas estas cidades o lixo jogado pelas ruas, pelos parques e praças.

Lamentável que em um mundo conectado, onde todos estão nas redes sociais, conectados com tudo e todos, se esquecem do básico. Que cidade queremos?

Que mundo queremos? Desafio você a ser um multiplicador da limpeza, não jogue lixo, papel de bala, garrafa e latinha, muito menos bituca de cigarro. Parece se esgotar o assunto, mas atitude poucos tem.

Seremos um país desenvolvido, civilizado, pronto para receber turistas, competitivo quando o básico for bem feito, quando formos coerentes e promotores do bem e da sustentabilidade. Meu desejo de que ainda em 2017 sejamos pró-ativos no bem! E se viajar, só por que não está em sua cidade, cuide como se fosse sua!

  • Evandro Razzoto  é coordenador de Ciência e Tecnologia da SETI – Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Governo do Estado do Paraná. Professor da UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), consultor e palestrante ambiental. Além disso, escreveu o livro Eco Sustentabilidade: Dicas para tornar você e sua empresa sustentável, em que fala principalmente sobre como conciliar os três pilares da sustentabilidade (crescimento econômico, responsabilidade social e preservação ambiental) na gestão e marketing das empresas.