A alfabetização é uma etapa do desenvolvimento infantil muito aguardada pelos pais. Podemos chamar de um Rito de Passagem ou uma Travessia. É o momento em que a criança passa ou atravessa os limites e acessa o universo letrado podendo interagir não só pela fala mas, também pela leitura e pela escrita.

Todo o estímulo de fala, conversas, músicas ouvidas e palavras adquiridas ficaram “organizadas” em uma memória específica no cérebro, chamada Fonológica e determinarão o leitor/escritor que está por vir. Portanto, é muito importante o estímulo de linguagem recebido na primeira infância. Contudo, a aprendizagem da leitura e da escrita é tarefa formal da escola ou do professor das séries iniciais do Ensino Fundamental. A Travessia fica mais fácil ou mais difícil dependendo da história de cada indivíduo: características biológicas, habilidades de linguagem oral adquiridas, qualidade da educação formal recebida. O desenvolvimento deve ser gradativo e o aluno deve superar os desafios de linguagem propostos a cada série.

Algumas crianças apresentam dificuldades nesse processo, seja na fluência da leitura ou trocas de letras na escrita. É preciso que sejam investigadas as causas de tais dificuldades para que sejam tratadas precocemente. Os professores são os primeiros a sinalizar quando o aluno não acessa as “rotas” da leitura e da escrita e muitas vezes é quem realiza o encaminhamento para avaliações de especialistas. Checar a razão da demora em alfabetizar, a presença de trocas e omissões de letras ou a dificuldade em ler e interpretar textos próprios de sua série é fundamental para minimizar os prejuízos educacionais.

O diagnóstico dos transtornos específicos de aprendizagem é fundamental para garantir que a criança e sua família tenham acesso às avaliações e tratamentos adequados para superar suas dificuldades. A Dislexia é um desses transtorno que é disgnosticada quando a criança apresenta déficits específicos na aprendizagem da leitura e da escrita inesperadas com relação à idade e capacidade intelectual (cognitiva). O site da Associação Brasileira de Dislexia sugere a identificação de alguns sinais que merecem atenção:

· Dificuldade na aquisição e automação da leitura e da escrita;

· Pobre conhecimento de rima (sons iguais no final das palavras) e aliteração (sons iguais no início das palavras);

· Desatenção e dispersão;

· Dificuldade em copiar de livros e da lousa;

· Dificuldade na coordenação motora fina (letras, desenhos, pinturas etc.) e/ou grossa (ginástica, dança etc.);

· Desorganização geral, constantes atrasos na entrega de trabalho escolares e perda de seus pertences;

· Confusão para nomear entre esquerda e direita;

· Dificuldade em manusear mapas, dicionários, listas telefônicas etc.;

· Vocabulário pobre, com sentenças curtas e imaturas ou longas e vagas;

Pais, recomenda-se atenção nessa fase. Conte com o auxílio da equipe pedagógica e equipes de saúde para que seu filho possa fazer a Travessia com tranquilidade!

*Sobre o blog:

O Blog Cotidiano em foco é feito pela equipe da INTEGRALLE formada pelas profissionais :

Ana Valéria Souza
Fonoaudióloga
CRFa 7370-PR
Formada pela PUC-PR
Fonoaudióloga Clínica desde 2000 atuando com intervenção nos distúrbios da comunicação.
Fonoaudióloga Educacional desde 2008 desenvolvendo projetos de prevenção, triagens, formação de professores e orientação aos pais.
Premiada pelo Sindicato das Escolas Particulares do Paraná pelo projeto “Crescendo e Aprendendo”(2015)

Profissionais da Integralle

Yasmine Hernandes David João
Psicóloga
CRP-08/24131
Formada pela Universidade Positivo
Psicóloga clínica, trabalha com crianças e adolescentes.
Atua com transtornos geralmente diagnosticados pela primeira vez na infância ou adolescência.

Marini Fussek
Fonoaudióloga
CRFª 4047
Especilista em Linguagem
Especialista em Distúrbios da Comunicação
Neuropsicopedagoga
Mestre em Educação
Fonoaudióloga clínica
Professora de Pós Graduação

A equipe INTEGRALLE – Centro de Atendimento Terapêutico e Educacional, oferece:
– Atendimentos clínicos
– Grupos focais
– Grupos de orientação e atualização do conhecimento
– Palestras
-Capacitações
– Público: pais e familiares, Escolas, educadores, acompanhantes terapêuticos, profissionais e estudantes da área da saúde e educação.