(com Marcus Vinicius Gomes)

TIGRE EM CASA DE SWING RENDE MULTA DE R$ 220 MIL

A exibição de um tigre e de uma jiboia em casa de swing de Curitiba deve render ao proprietário uma multa de R$ 220 mil, segundo fiscais da Secretaria Municipal do Meio Ambiente. O tigre foi encontrado em uma jaula durante evento chamado “Jungle Party” (Festa da Selva). A
cobra de seis metros era parte do adereço de uma dançarina (foto).

Sob a condição de anonimato, um fiscal da SMMA disse que foi acionado às 2 horas da madrugada para atender a ocorrência. O tigre estava
aparentemente dopado. Os bichos foram encaminhados para o Santuário de Animais do Paraná, em São José dos Pinhais, onde ficarão em
observação. (Foto: Redes Sociais).

____________________________________________________________________

Marina: pentecostalismo e meio ambiente

Era a crônica da morte anunciada. Com Lula fora do páreo, o seu oposto perfeito, o capitão Jair Bolsonaro perde o fôlego. É o que aponta a pesquisa Datafolha publicada nesse fim de semana. No cenário em o que petista não aparece, não é o partido do Bolso (naro) quem cresce, nem o Partido do Bolsa (Família) que respira com um poste abençoado (Haddad ou Jaques Vagner), mas Marina Silva, a incógnita, quem surge para ocupar um lugar que, ao que parece, não é mais da esquerda ou da centro-esquerda; mas de uma legenda que se pretende alternativa, seja lá o que isso queira dizer. Convenhamos, nem Marina sabe.

CURRÍCULO OU FOLHA CORRIDA

Lula, legitimado pela esquerda, sobrevivia graças ao seu currículo.

Bolsonaro porque inspirava os piores instintos ao eleitor brasileiro, incluindo aqueles de escancarado irracionalismo que iam dar na intervenção militar e na doce ditadura – eis uma razão para que o sadomasoquismo da trilogia “Cinquenta Tons de Cinza” tenha feito da dona de casa E.L. James uma milionária com obra pueril. Não se pega leve com essa gente. Eles gostam de farda, coturno e chicotinho nas nádegas.

DE MARX AO NEOPENTECOSTALISMO

Em uma palestra na Unibrasil, em Curitiba, certa vez, Marina Silva, que é bom lembrar, pertence à Rede, surpreendeu ao falar daquele Brasil por desbravar: a região Oeste. Para uma ambientalista que agora inclui em sua pauta o desenvolvimento sustentável é um progresso e tanto.

Lula: liderança inconteste; Jair Bolsonaro: saudade da ditadura…

O problema, o grande problema, é que ela passou longos 30 anos à sombra do PT. Sua desilusão é recente: vem do primeiro governo Dilma, quando foi ministra e, desde então, não se sabe o quanto distanciou-se e o quanto reelaborou conceitos que passam por Marx em algum momento e vão dar no neopentecostalismo.

EMPATE TÉCNICO

O fato é que em qualquer cenário proposto pelo Datafolha no qual Lula aparece fora da corrida presidencial, Bolsonaro e Marina Silva estão empatados tecnicamente (17% x 15%), com a margem de erro de dois pontos porcentuais, para mais ou para menos.

CORO DOS CONTENTES

Mais: o quadro agora abre-se para outras possibilidades e caminha para uma disputa em que o ex-ministro Joaquim Barbosa, o tucano Geraldo Alckmin, o pedetista Ciro Gomes e o senador paranaense Alvaro Dias (Podemos) surgem para abiscoitar votos e, no mínimo, desafinar o coro dos contentes.

NÓS CONTRA ELES

A tendência é o centro. Que Bolsonaro tire o ‘equino da depressão pluviométrica’, ou o cavalinho da chuva. O radicalismo do “Nós” contra “Eles”, que tem por base as teorias do alemão Carl Schmitt – um fascista do bem, se é que isso existe – está longe de ser a moeda corrente da vez em um cenário de recuperação econômica. Lula usou e abusou do conceito. Deu no que deu. Não será Bolsonaro que, invertendo os ponteiros, terá resultado idêntico, ainda mais se tratando de um reacionário gestado na caserna.

Um brucutu anacrônico adorado pelo patriotismo das redes sociais, refúgio comum daqueles que o Dr. Samuel Johnson definiu muito bem.

LÍDER INEGÁVEL E IRREFUTÁVEL

Lula está preso e não deve sair tão cedo da cadeia. Talvez a sua condição de mártir que ele tratou de envernizar quando passou dias no Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo caminhe, enfim, para o esquecimento.

Donos de argumentações desonestas, inclusive aqueles que sobejam em academicismos de botequim, insistem que parte dos manifestantes que montaram vigília em torno do prédio do sindicato, foram pagos com churrasco e cerveja. Bobagem. Fosse assim e o Nordeste não se inclinaria pelo voto em branco, como aponta a mesma pesquisa Datafolha.

CRIME COMUM

A condição de líder popular de Lula é inegável e irrefutável. Ele não sai candidato porque é um preso condenado por crime comum não por crime político como os presidentes e ex-presidentes que o precederam. Talvez haja por aí uma estátua para Prestes (certamente há). Talvez haja também uma estátua para Plínio Salgado (certamente há). Mas, ao que se saiba, não há estátua para aqueles que, mesmo líderes incontestes, fizeram erguer, pedra sobre pedra, uma reputação controversa, como a de Lula, envolvendo o chamado ‘deus Mamon”.

BERNARDI E ARNS

Ontem em Curitiba pelo menos dois políticos não escondiam estarem “muito satisfeitos” com a performance da “mística” ambientalista Marina Silva em sua caminhada de candidata à Presidência: Jorge Bernardi, que quer ser governador pela Rede, e Flávio, que almeja voltar ao Senado, também pelo partido de Marina.

Flávio Arns e Jorge Bernardi

“AROLDO MURÁ, URGENTE” – NA BANDA B

Novidade: desde segunda-feira, 16, esta coluna informativa e opinativa passa a apresentar “flashes” urgentes na plataforma da Rádio Banda B.

A ideia é acompanhar, quando possível, a notícia enquanto ela acontece, com a agilidade compatível com o Jornalismo de qualidade da emissora mais popular de Curitiba e das de maior audiência da região Metropolitana.

 


LEIA A COLUNA COMPLETA AQUI