A seis meses das eleições, num cenário em que o estapafúrdio casa-se perfeitamente com o surreal, convém suspeitar da pesquisa do Ibope divulgada pela CBN Cascavel. Não pelo que ela revela – números frios a uma distância abissal do pleito. Mas pelo que ela não revela: mesmo os candidatos favoritos, que estão presentes na mídia desde o ano passado, patinam na sondagem espontânea com porcentuais indigentes.

A BARBADA QUE NÃO FOI

Vide o caso de Ratinho Jr. (PSD), derrotado na corrida à prefeitura em 2012, quando era tido como uma barbada. Na pesquisa estimulada, aquela em que um cartão com o nome dos pré-candidatos é apresentado ao entrevistado, ele aparece com 34% das intenções de voto, seguido de perto por Osmar Dias (PDT), que deve concorrer pela terceira vez ao governo, com 28%. A governadora Cida Borghetti (PP) e o Dr. Rosinha (PT), surgem respectivamente com 5% e 3%. Os votos brancos e nulos são maiúsculos, 24%. Os indecisos ou aqueles que não souberam responder, nem tanto: 6%.

TAMBÉM OS AVENTUREIROS

Se há um indicador preciso, portanto, no caso da estimulada, é a de que o caminho está aberto para qualquer um dos pré-candidatos listados, inclusive para eventuais aventureiros.

NÚMEROS QUE PENDEM PARA BAIXO

A pesquisa espontânea confirma esse prognóstico. Quando são instados a citar um pré-candidato ao governo sem a ajuda do cartão, a maioria tende a citar nenhum. É dessa forma que Ratinho Jr. paira em mirrados 4%, Roberto Requião em 3% e Osmar Dias em 2%. Mesmo aqueles que não disputarão o governo como é o caso de Alvaro Dias (Podemos), que anunciou sua intenção de concorrer à presidência da República, e de Beto Richa, que por lei não pode disputar um terceiro mandato consecutivo, aparecem com 3% das intenções de voto cada. Na outra ponta da pesquisa espontânea, 64% não souberam ou não quiseram responder, enquanto 19% manifestaram a intenção de anular o voto ou votar em branco. São números assombrosos que pendem para baixo.

CAVALOS PARAGUAIOS

Claro que não é o caso de subvalorizar a pesquisa, mas tomá-la como Norte é um erro. Nesse momento, ela é o registro nítido de uma largada, mas não o “fotochart” da chegada, que ocorrerá, na contagem regressiva, em 180 dias. Até lá, é certo que muita água vai rolar. Inclusive aquela produzida pelo chororô dos cavalos paraguaios.

Ratinho Junior, Osmar Dias e Cida: cedo para o “já ganhou”.

NA COMUNICAÇÃO SOCIAL, UM NOME BEM ACEITO

Marcello Catani: tudo para voltar ao Palácio Iguaçu (Foto: Arnaldo Alves/ANPr)

O mais provável, até o começo da tarde desta quarta, 11, é que o publicitário e jornalista Marcelo Catani seja escolhido secretário de Comunicação do Governo Cida Borghetti.

Este “sentimento” era partilhado também por fontes palacianas, alguns condestáveis do governo e também da Prefeitura de Curitiba. Catani foi secretário de Comunicação de Rafael Waldomiro Greca de Macedo desde o começo, e terá papel vital na condução da campanha de Cida ao governo. Isto parece muito claro.

O tempo em que foi secretário de CS de Richa foi de bons resultados para a imagem do governador e sua administração.

GRANDE REJEIÇÃO

O que sei também é que outros nomes passaram pelo radar de Cida e Ricardo Barros. Um deles, particularmente, rodou em face da multidão de desafetos que foi colecionando em áreas importantes para quem quer ganhar eleições. Nesse caso de rejeição quase epidêmica, o nome do rapaz ganhou 98% de “chega para lá” da bancada federal do Paraná. Too bad.


SPERAFICO LICENCIADO, “DESIDRATAÇÃO” DE RATINHO?

Leia a coluna completa AQUI