Marcos Stamm: ritmo próprio

Há uma semana no cargo de diretor-geral brasileiro da usina de Itaipu, Marcos Stamm já tranquilizou seus pares paraguaios, com uma gestão serena e equilibrada. Para os inúmeros parceiros da usina em programas e ações, sinalizou que haverá novos investimentos e que a prioridade de Itaipu – sustentabilidade na geração de energia – continuará pautando a política institucional de também contribuir para o desenvolvimento sustentável do Oeste do Paraná.

DOMÍNIO TOTAL

Na primeira coletiva como diretor-geral brasileiro, para mais de 50 jornalistas – a maior parte de relevância nacional -, na última quarta-feira, 18, Stamm mostrou que tem grande domínio sobre qualquer assunto referente à binacional, embora esteja apenas há um pouco mais de ano na empresa (antes de ocupar o novo cargo, que assumiu na sexta-feira, 13 de abril, ele era diretor financeiro executivo). Na coletiva, Stamm assegurou que vai manter e ampliar os recursos investidos na região Oeste e dar seguimento aos importantes projetos que dão sustentabilidade ao negócio da empresa, que é a geração de energia.

É PRECISO GERAR

“Não basta só produzir energia, é preciso gerar eletricidade com eficiência para promover o desenvolvimento do Brasil e do Paraguai, sócio do empreendimento”, disse. E complementou: “Eu, como diretor de Itaipu, tenho a responsabilidade inerente ao meu cargo de cumprir o que é o melhor para a empresa. Mas eu também sei da responsabilidade de Itaipu com a região. Então, vamos buscar a compatibilização de todos esses objetivos”, disse, citando a recente ampliação da atuação da empresa, dos 29 municípios da Bacia do Paraná 3 (BP3) para 54 municípios da região Oeste do Paraná, além de Altônia (Noroeste) e Mundo Novo (MS).

A DÍVIDA EM ESTUDO

Sobre a quitação da dívida de Itaipu, que acaba em 2023, com a revisão do Anexo C do Tratado de Itaipu, Stamm ressaltou que a empresa vem mantendo um grupo de estudos para tratar do tema. Com o fim da dívida, se for mantida a atual base tarifária, cada margem da usina terá US$ 1 bilhão por ano a mais, dinheiro que atualmente vai para o pagamento dos débitos assumidos na época da construção.

ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

O novo diretor-geral assegurou que o projeto de atualização tecnológica da usina terá prioridade. “Trata-se de um esforço fundamental para a sustentabilidade da geração nas próximas décadas, em patamares parecidos aos de hoje, com recordes de produção de energia elétrica.” O investimento previsto é de US$ 500 milhões, com conclusão estimada em dez anos. “Estudamos alternativas não só para melhorar as nossas instalações, por meio da atualização tecnológica, mas também para alcançar melhores marcas de produção de energia.” Itaipu detém o recorde mundial de geração de energia com a marca de 103,1 milhões de megawatts-hora (MWh) obtida em 2016.

MANUTENÇÃO DE ASSESSORES

O diretor-geral brasileiro trouxe para a nova pasta os assessores que o acompanhavam na Diretoria Financeira. Para o gabinete do novo DGB, foram os assessores especiais Jorge Augusto Callado, Tércio Albuquerque, Lourival Prehs e Marcos Ton Ramos. Com a saída do engenheiro eletricista Luiz Fernando Leone Vianna, saíram Alexandre Teixeira, Márcio Villela e Ricardo Lisboa. Nestes casos, é normal o desligamento, já que se trata de pessoas transitórias no cargo.


ITAIPU (2):

COMUNICAÇÃO SOCIAL CONTINUA EM BOAS MÃOS

Patrícia Iunovich: experiência comprovada

Antes de ser convidada para trabalhar na Itaipu, onde agora chefia Comunicação Social, a jornalista Patrícia Iunovich ganhou o prêmio de jornalismo em comemoração aos 25 anos da empresa, em 1995. Foi professora universitária de jornalismo por cinco anos na Faculdade UDC.

Em 2003, escreveu uma matéria especial de memórias para a revista Piauí sobre o pai, motociclista da muralha da morte. O artigo virou livro e será publicado em setembro deste ano pela editora Nova Geração.

MANTIDA NA POSIÇÃO

Mantida como chefe da Assessoria de Comunicação Social (equivalente a Superintendente), Patrícia Iunovich está à frente do cargo há quase oito meses. Antes disso, ocupava a gerência da Divisão de Imprensa desde 2010. À época, a escolha de Patrícia para a Comunicação Social partiu do próprio diretor-geral brasileiro de Itaipu, Luiz Fernando Leone Vianna.

“CASEIRA”

A mesma “solução caseira” foi seguida pelo atual diretor-geral brasileiro, Marcos Stamm, que já conhecia o trabalho da jornalista e decidiu mantê-la no cargo como reconhecimento do trabalho da profissional. Patrícia foi a primeira mulher e profissional que sempre trabalhou em Foz do Iguaçu a ser convidada para chefiar a Comunicação Social brasileira de Itaipu. Seus antecessores moravam em outras cidades quando assumiram a função.

“EL GRAN CAPY”

Patrícia também é escritora. Ela lançou em novembro do ano passado o seu primeiro livro, “El Gran Capy”, que narra “as fantásticas aventuras de um motociclista na Muralha da Morte”, subtítulo da obra. O protagonista é Antônio Francisco Iunovich, “El Grand Capy”, pai de Patrícia e falecido no final de 2010. O livro relata as memórias da jornalista sobre o audacioso pai, estrela da Muralha da Morte, e revela detalhes da experiência de Patrícia, a “Menina do Parque”. Para acompanhar Capy, a família tinha uma vida itinerante em parque de diversões. O livro está na Amazon, Livrarias da Folha, Saraiva e Livraria Cultura, entre outras.

HÉLIO, O MESTRE

Hélio Teixeira, jornalista

Patrícia começou a prestar serviço para Itaipu em 2000. Cinco anos depois, ela passou ao quadro próprio, sob a tutela de Hélio Teixeira, jornalista e ex-chefe da CS.GB. A jornalista assumiu a gerência da CSIM.GB na gestão de Gilmar Piolla, hoje secretário do município.

Como gerente da Divisão de Imprensa, Patrícia manteve ótima relação com colegas de outras áreas da empresa e estreitou os laços com a imprensa regional, do Paraná e de fora do Estado. Agora, ela passa a comandar uma equipe de 50 pessoas, das áreas subordinadas à CS.GB: as divisões de Imprensa (CSIM.GB), de Imagem Institucional (CSII.GB), de Relações Públicas (CSRP.GB) e de Gestão da Comunicação Social (CSGC.GB).

MUITAS ATRIBUIÇÕES

A Superintendência de Comunicação Social concentra várias atribuições estratégicas para a empresa, que garantem a visibilidade de Itaipu para o público externo, e aproxima a diretoria dos colaboradores. Entre as atribuições da CS.GB estão a assessoria da diretoria quanto à formulação de planos específicos de divulgação de iniciativas da Itaipu e na definição de estratégias de comunicação para a gestão de situações emergenciais e de crise; a promoção da imagem institucional da Itaipu perante os públicos internos e externos; a coordenação, elaboração, implantação, avaliação e revisão periódica do Plano de Comunicação Empresarial; a gestão de campanhas informativas e educativas, promoção de eventos, publicidade institucional, ações de patrocínios, identidade visual e gestão de marca; a gestão de conteúdo dos jornais internos, das páginas da Itaipu na intranet, internet, redes sociais e outras mídias; entre outros.

MBA NO SETOR ELÉTRICO

Patrícia Liliana Iunovich é argentina, naturalizada brasileira, tem 46 anos de idade. Casada com o jornalista Cláudio Dalla Benetta, ela tem dois filhos, Nicolas e Rafaela, e uma enteada, Leilane. É formada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade de Ribeirão Preto (SP). Tem pós-graduação em Didática e Metodologia do Ensino pela Unopar. Atualmente, faz MBA do Setor Elétrico pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Tem vários cursos de extensão na área de jornalismo. Atua na profissão há 24 anos, com experiência em rádio, tv, impresso e setor público. Possui ampla experiência em jornalismo corporativo e exploração de mídia espontânea.

TUDO COMEÇOU ASSIM…

No início da carreira trabalhou como assessora de imprensa da Comunicação Social da Prefeitura de Foz do Iguaçu. Foi diretora de jornalismo do primeiro canal de TV a cabo de Foz do Iguaçu, onde cobriu a Câmara de Vereadores de Foz, como repórter especial.

Logo depois trabalhou como repórter e chefe da sucursal de Foz do Iguaçu do jornal O Estado do Paraná, por sete anos. Paralelamente, foi colaboradora do jornal O Estado de São Paulo. Foi convidada para trabalhar na Comunicação Social da Itaipu por duas vezes: em 97, quando era repórter, e depois em 2000, quando aceitou prestar serviço para a área. Em 2005 ingressou no quadro próprio e em 2010 foi promovida a gerente da Divisão de Imprensa. Escreveu para várias revistas do Paraná.

“MURALHA DA MORTE”

Antes de ser convidada para trabalhar na Itaipu, ganhou o prêmio de jornalismo em comemoração aos 25 anos da empresa, em 1995. Foi professora universitária de jornalismo por cinco anos na Faculdade UDC.

Em 2003, escreveu uma matéria especial de memórias para a revista Piauí sobre o pai, motociclista da muralha da morte. O artigo virou livro e será publicado em setembro deste ano pela editora Nova Geração.

Leia a coluna completa aqui