Eleva Spray 150

Até sexta-feira (04), a Agrishow, em Ribeirão Preto, SP, é palco do lançamento da Eleva, empresa que desenvolve, fabrica e passa a comercializar soluções para o mercado aeronáutico, em especial VANTs – veículos aéreos não tripulados –, que nada mais são que drones para uso comercial, industrial ou agrícola. O protótipo em exposição na feira, no estande F10e1, é o Eleva Spray 150, focado na pulverização.

O projeto está sob o comando dos fundadores da Eleva, Celso Faria de Souza, Luciano Castro e Norberto Maraschin Filho, colegas no ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica, que viram no mercado de VANTs a oportunidade de empreender, um sonho antigo do trio de engenheiros.

FUTURO BREVE

O intuito da Eleva é entrar em outros segmentos de negócio em um futuro breve, adaptando o VANT para missões relacionadas à segurança pública e à inspeção de linhas de transmissão de energia, por exemplo. “O naming Eleva, de fazer subir, de levantar, de enaltecer, de engrandecer, visa reforçar o compromisso assumido pelo nosso time de entregar soluções que elevem a performance dos clientes, assim como os seus resultados, executando tarefas com maior precisão e otimização de custos. Viemos à Agrishow para mostrar o nosso protótipo, e estamos abertos a conversar com todos os potenciais parceiros de negócios, como cooperativas, fornecedores de insumos e os próprios produtores, além de recebermos potenciais investidores do Brasil e do exterior”, afirma Luciano Castro, diretor-executivo e um dos fundadores da Eleva.

O PRIMEIRO VANT

O Eleva Spray 150, primeiro VANT da marca, está em processo final de desenvolvimento para comercialização a partir de 2019 no Brasil e em mercados globais com características semelhantes com grandes áreas de produção rural, a exemplo de Estados Unidos, Argentina e Austrália.

Hoje, o projeto conta com 17 profissionais brasileiros, sendo que três deles são PhDs, e estão distribuídos nas unidades Goiânia (GO), São José dos Campos (SP) e Manaus (AM). O grupo é formado por engenheiros e tecnólogos especializados nos diversos ramos de desenvolvimento do equipamento, como mecânica, aeronáutica, eletrônica, controle de sistemas dinâmicos, materiais compósitos, agricultura e pulverização, certificação e estruturação de negócios, entre outros.

LEGISLAÇÃO VANTAJOSA

“Uma vantagem da Eleva é que a legislação brasileira para uso de VANTs é baseada na europeia, que é a mais restritiva mundialmente. Portanto, as certificações no Brasil vão garantir que nosso equipamento esteja preparado para passar nos testes no exterior também. Essa é a principal premissa para ganharmos escala com agilidade”, ressalta o diretor técnico da Eleva, Celso Faria de Souza.

UTILIZAÇÃO À NOITE

O sistema é composto, basicamente, pelo VANT e estação de controle, a GS – Ground Station, além de pessoal técnico responsável pela operação em dois modos: pilotagem manual e automatizada. Entre os atributos que diferenciam o Eleva Spray 150 está a possibilidade de o equipamento ser utilizado à noite, quando algumas condições estão mais favoráveis à pulverização: maior umidade, menor temperatura, menos ventos e maior facilidade da planta em absorver os defensivos sistêmicos, entre outros.

PRAGAS “NOTURNAS”

Adicionalmente, há diversas pragas com comportamento noturno, tornando este tipo de pulverização mais efetiva. Junto com a operação no Baixo Volume (BV) ou Ultra Baixo Volume (UBV) e o efeito downwash, que impulsiona para baixo os defensivos, há enormes possibilidades de economia de insumos, gerando ganhos estratégicos para o agricultor.

COMO TUDO COMEÇA

Era 1996 quando Celso Faria de Souza, Luciano Castro e Norberto Maraschin Filho se conheceram, no primeiro dia de aula do curso de Engenharia no ITA – Instituto Tecnológico de Aeronáutica –, fundado em 1950 na cidade de São José dos Campos, em São Paulo. No ano anterior, haviam enfrentado um dos vestibulares mais difíceis do Brasil, que abrange questões elaboradas com alto grau de complexidade, baseadas em conteúdos que nem são vistos pela maioria das escolas. Cada vaga no ITA é disputada por cerca de 130 candidatos, amplamente preparados na educação de base.

PROJETO DE NIEMEYER

Recém-saídos das casas de seus pais, em Goiás, Minas Gerais e Paraná, os três jovens foram dividir apartamento com mais de uma centena de colegas no alojamento do então Centro Tecnológico Aeroespacial, o H8, cujo projeto original foi assinado curiosamente por Oscar Niemeyer. Foi de lá que saíram centenas de homens e mulheres com formação de ponta, encaminhados à força aérea ou para iniciativas pública ou privada.

Muitos deles carregavam o sonho de empreender.

ERA A TURMA 00

Batizada de Turma 00, em referência ao ano de formação, foi em 2000 que Celso, Castro e Norberto deixaram o ITA, formados em Engenharia Aeronáutica e Mecânica-Aeronáutica. Apesar do enorme desejo de montar o próprio negócio juntos, suas vidas tomaram rumos diferentes.

OUTROS CAMINHOS

Celso Faria de Souza começou, em 2001, a ministrar cursos nas áreas de engenharia e ciências aeronáuticas, além de obter experiências em empresas como SETE Linhas Aéreas, Aliança Aviação, Brasil Vida Táxi Aéreo, KI Avionics, NEO Táxi Aéreo, entre outras. É sócio de Castro na Enhanced Works, empresa com mais de 15 anos de know-how, fornecendo soluções de engenharia para o mercado aeronáutico e a indústria em geral. Fez dezenas de cursos e treinamentos na área aeronáutica, no Brasil e no exterior, e hoje cursa especialização em projetos de aeronaves, na Universidade do Kansas, nos Estados Unidos.

NA AERONONÁUTICA

Luciano Castro entrou para a Força Aérea Brasileira no mesmo ano e permaneceu até 2010. Entre os projetos dos quais foi head, destaca o T-27, no qual foi responsável por uma frota de mais de cem aviões.

Também acumulou experiências na VLI Logística e na Capital51, além de dirigir a Enhanced Work, junto com Celso.

POSITIVO TECNOLOGIA

Norberto Maraschin Filho saiu do ITA direto para ocupar posições em empresas de consultoria, como a Booz Allen Hamilton e a Oliver Wyman, em mercados como Brasil, Colômbia, Equador e Índia. Desde 2009, integra a equipe da Positivo Tecnologia, quando assumiu a gerência de Estratégia e Novos Negócios.

ARGENTINA E URUGUAI

No ano seguinte, coordenou as negociações que resultaram na entrada da companhia nos mercados da Argentina e do Uruguai e a consequente criação da joint venture entre a Positivo Tecnologia e a BGH, assumindo a cadeira de CEO da Informática Fueguina, empresa resultante desse processo, com sede em Buenos Aires, Argentina.

MOBILIDADE E NEGÓCIOS

Depois de três anos no exterior, Maraschin foi repatriado para assumir a vice-presidência de Mobilidade e Negócios Internacionais.

Embora os três executivos tenham mantido contato, foi somente na comemoração de 15 anos de formados, em 2015, que Celso, Castro e Norberto tiveram a oportunidade de conversar e falar sobre seus projetos em andamentos e sonhos que estavam à mente.

DRONE MULTITAREFAS

E foi nesse momento que a ideia de criar um VANT multitarefas entrou em discussão. Estava na hora de tirar um primeiro projeto conjunto do papel e empreender. No ano seguinte, em 2016, as conversas se intensificaram e começaram os estudos de mercado para entender em quais frentes havia espaço para implementar uma nova modalidade de negócio. O plano era montar um VANT com motorização híbrida, capaz de executar múltiplas missões, sejam elas de agronegócios, segurança pública, inspeção de linhas de transmissão, entre tantas outras utilidades para essa solução.

OZIRES SILVA

Além dos fundadores Celso, Castro e Norberto, uma figura em especial chama atenção no conselho consultivo da Eleva. “A reputação de Ozires Silva, ex-ministro e fundador da Embraer, o precede. É um dos grandes nomes que fazem parte da história da indústria brasileira e nos recebeu em seu escritório, em São Paulo, para uma reunião de 30 minutos.
Contudo, a conversa se estendeu por mais de duas horas, devido ao entusiasmo e à receptividade com que Ozires analisava a Eleva e a contextualizava com suas experiências no mundo dos negócios. Ficamos exultantes quando, ao fim da reunião, Ozires Silva concordou em participar do conselho de nossa empresa”, relata Norberto, membro do conselho da empresa.

POSITIVO COM 40%

Junto com o fundador da Embraer, outro executivo de peso acreditou no potencial da startup. Hoje, 40% da Eleva pertence à companhia curitibana Positivo Tecnologia, dirigida pelo presidente Hélio Bruck Rotenberg, outro integrante do conselho da fabricante de VANTs.

CAPITAL HUMANO

Para os fundadores, o capital humano é o principal diferencial da Eleva.

“A equipe formada, do grupo de trabalho ao conselho, apresenta grande capacidade de desenvolvimento de um produto vitorioso e de um negócio rentável e duradouro. É sabido que o caminho das empresas é bastante desafiador, mas acreditamos na possibilidade da Eleva se tornar uma respeitada empresa do segmento aeronáutico, assim como foi com a Embraer, um grande orgulho dos brasileiros”, finaliza Luciano Castro.

No lançamento do drone, os sócios Luciano Castro, Celso Faria de Souza e Norberto Maraschin Filho e o Eleva Spray 150 ao fundo.

Leia a coluna completa aqui